link para o menu
prateleira
Natureza Morta Francisco Rebolo
texto Francisco Rebolo
maquete Francisco Rebolo
relevo Francisco Rebolo
livro de poemas
contraste Francisco Rebolo
Pintura de referência
movel
pixel
pixel
pixel
pixel
pixel
FRANCISCO REBOLO (São Paulo/SP, 1902 – São Paulo/SP, 1980)
Paisagem do Morumbi, 1946
Óleo sobre tela
Compra Governo do Estado de São Paulo, 1969
A obra em seu contexto..
ampliar imagem
retorna ao menu
Nesse quadro vemos um ambiente parecido ao de uma chácara, bem simples. Ao centro, uma casa rodeada por poucas árvores que se espalham pelo terreno; à frente, um pequeno morro, uma árvore bem próxima e uma estrada de terra; e, ao fundo, uma colina com algumas árvores na linha do horizonte encimado pelo céu azul.

Essa paisagem foi pintada no Brasil, aproximadamente quarenta anos após a obra Paisagem (estudo), de Pedro Alexandrino, aqui também exposta. Rebolo também gostava de pintar ao ar livre as paisagens que lhe interessavam, e fazia isso principalmente nos arredores da cidade de São Paulo.

Compare as duas paisagens rurais desta exposição. Quais semelhanças e diferenças você identifica entre elas? Rebolo não estava interessado em copiar as coisas como seus olhos viam. Interessava-lhe simplificar e até geometrizar um pouco suas formas. Os elementos da natureza, como os caminhos de terra e a vegetação, eram definidos como zonas de cor. O artista declarava que pretendia “dar vida” às paisagens, usando cores vibrantes e muita luminosidade. Assim, suas paisagens revelam vivamente a cidade em que vivia.

Você já visitou ou ouviu falar do Bairro Morumbi, em São Paulo? Ele fica na cidade, cercado de construções, ruas, avenidas. Tem até um estádio de futebol famoso! Quando Rebolo pintou Paisagem do Morumbi, ele vivia em um sítio nesse bairro, que ainda era rural, cheio de áreas verdes. Já percebeu como os espaços da sua cidade se transformam ao longo dos anos? Já viu alguma zona rural se transformar em zona urbana?

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

fecha imagem
REPRODUÇÃO FOTOGRÁFICA. Nesse quadro vemos um ambiente parecido ao de uma chácara, bem simples. Ao centro, uma casa rodeada por poucas árvores que se espalham pelo terreno; à frente, um pequeno morro, uma árvore bem próxima e uma estrada de terra; e, ao fundo, uma colina com algumas árvores na linha do horizonte encimado pelo céu azul.

Essa paisagem foi pintada no Brasil, aproximadamente quarenta anos após a obra Paisagem (estudo), de Pedro Alexandrino, aqui também exposta. Rebolo também gostava de pintar ao ar livre as paisagens que lhe interessavam, e fazia isso principalmente nos arredores da cidade de São Paulo.

Compare as duas paisagens rurais desta exposição. Quais semelhanças e diferenças você identifica entre elas? Rebolo não estava interessado em copiar as coisas como seus olhos viam. Interessava-lhe simplificar e até geometrizar um pouco suas formas. Os elementos da natureza, como os caminhos de terra e a vegetação, eram definidos como zonas de cor. O artista declarava que pretendia “dar vida” às paisagens, usando cores vibrantes e muita luminosidade. Assim, suas paisagens revelam vivamente a cidade em que vivia.

Você já visitou ou ouviu falar do Bairro Morumbi, em São Paulo? Ele fica na cidade, cercado de construções, ruas, avenidas. Tem até um estádio de futebol famoso! Quando Rebolo pintou Paisagem do Morumbi, ele vivia em um sítio nesse bairro, que ainda era rural, cheio de áreas verdes. Já percebeu como os espaços da sua cidade se transformam ao longo dos anos? Já viu alguma zona rural se transformar em zona urbana?
Natureza Morta Francisco Rebolo
FRANCISCO REBOLO (São Paulo/SP, 1902 – São Paulo/SP, 1980)
Paisagem do Morumbi, 1946
Óleo sobre tela
Compra Governo do Estado de São Paulo, 1969